domingo, 22 de julho de 2018

"The Incredibles 2 - Os Super-Heróis" - Critica com Spoilers


Como prometido, eis a minha critica com SPOILERS do filme. Como sempre, para evitar spoilers para quem não viu o filme, a critica está em letras brancas e não vê quem estiver a ver num telemóvel, por mostrar o texto.

Antes de começar, convém lembrar que no texto em baixo vou mencionar, as analises à Espreitadela, ao Trailer Oficial, aquele palpite sobre o Xerek e aquele post que fiz sobre a problemática produção de "Toy Story 4". ". Agora vamos começar:





Neste 2 º "volume", nós ficamos a conhecer mais coisas nos personagens do 1 º filme que não foram bem-esclarecidas. 

O filme também faz um óptimo trabalho em mostrar diversificação nas tarefas de família em que mulheres não podem ser só donas de casa, os homens também podem ser. 

E é curioso ver o Beto pensar que consegue tratar da família sozinho, até perceber que os filhos também podem ajudar. Assim como no 1 º filme, trabalhar em equipa é melhor do que sozinho.

Eu fiquei impressionado com a quantidade de super-poderes que o Zezé tem. Para além do que foi mostrado no 1 º filme e na curta "Zezé Ataca" (2005), ele também consegue multiplicar-se (o personagem, na versão original, chama-se "Jack-Jack", o que faz sentido) ficar enorme, mudar de forma e controlar com o poder da mente, para citar exemplos.

Também achei curioso a narrativa da Violeta, quando ela passa pelas típicas fases de adolescência e por causa do Rui Dicas ter apagado as memórias que o Toni Rodrigues tinha da Violeta, em vez de ser só o momento em que ele descobriu a identidade secreta dela.

Um facto que me surpreendeu (mas foi um dos palpites que meti no post sobre o Xerek) foi o facto de que a Evelyn Deavor, a irmã do Winston, ser o misterioso "Raptor de Ecrãs". Por incrível (perceberam?), reparei que ela é a 1 ª personagem feminina a ser um vilão de um filme da Pixar (se revirem todos os longas do estúdio*, os vilões nos filmes eram sempre personagens masculinos). 

*Excepto "Toy Story - Os Rivais" (1995) "À Procura de Nemo" (2003) e a sequela, "À Procura de Dory" (2016) "WALL-E (2008)" e "Divertidamente (Inside Out)" (2015), por que esses filmes não tinham vilões (No caso de "Toy Story", o Sid é apenas mais um miúdo que tortura brinquedos, porque metade de nós deve ter sido como ele quando éramos crianças .No caso de "WALL-E", as acções do Auto foi porque ele só sabia seguir ordens e não foi por maldade. Ele não conseguia pensar por ele próprio, ao contrario dos outros robôs no filme)

Mas ela também tem uma boa justificação para culpar os super-heróis. Quer dizer, o pai dela e do Winston, que era grande apoiante dos super-heróis, não podia telefonar ao 911 (o 112 nos EUA) a dizer que a casa deles estava a ser assaltada, por exemplo, em vez de ser a super-heróis, que na altura, foram obrigados a esconderem-se?

O Winston, no outro lado, vê-se logo o quanto ele está feliz e determinado em fazer com que os super-heróis voltem a actividades legalmente.

Na batalha final, houve uma altura, em que pensei que o Winston, o Lúcio, a família Pera e os outros super-heróis à volta do mundo, não iriam conseguir provar que os super-heróis podiam agir legalmente. Mas tudo acabou bem, e agora podem agir legalmente.

No final, está um bom filme e valeu a pena esperar 14 anos pelo 2 º filme. 

Se conseguirem dar a volta por cima com "Toy Story 4", tudo bem. Se não, "The Incredibles 2: Os Super-Heróis" pode ser oficialmente a ultima continuação em longa-metragem do estúdio.

Sem comentários :