terça-feira, 18 de junho de 2019

Como "libertar-se" da Disney


Estão cansados de de ver Disney á vossa frente, na internet?

Eu estou.

Passar 9 anos a pensar que sou fá da Disney, por insatisfação pelas sequelas que a Casa do Rato fez de "O Livro da Selva" (1967), deixou-me cansado (Não foi por demasiada preocupação).

Então, estou a criar umas dicas para "libertarem-se" da Disney.

Vamos começar então?


Anulem a vossa subscrição no Walt Disney Studio PT.

Se quiserem seguir algo especifico, tem os seguintes canais:

Vejam ou revejam filmes live-action que não são remakes de clássicos da Disney.

Uma óptima maneira de fazer isso é começar uma maratona de filmes que até agora passaram no Cinepop.

Cliquem aqui para saberem quais foram os filmes até agora.


Vejam Filmes de Animação Japonesa

Porquê?

A Disney é a maior referencia da Animação à volta do mundo, excepto no Japão, que tem os trabalhos de Osamu Tesuka e os filmes do Studio Ghibli como referencias, por exemplo.

Podem começar pelos filmes do Studio Ghibli (Cliquem aqui para conhecer os filmes) ou pelas recomendações do Entreplanos em colaboração com a Mikannn neste video de 2018:




Se conseguirem seguir algumas destas dicas, parabéns.

E não há problema se não conseguirem seguir nenhuma das minhas dicas, tentem para a próxima.


Para terminar este post, coloquei esta musica dos Delfins para vos inspirar:



Um Bom Abraço e Até à Próxima!

segunda-feira, 17 de junho de 2019

"O Planeta do Tesouro" - Era bom, mas deu errado.

"Como seria se este filme tivesse sido um sucesso na bilheteira?"

É o que eu e muitos fás deste clássico subestimado da Disney perguntamos a nós mesmos sempre que relembramos a história por detrás dele.

Se não viram este filme, aproveitem que vale muito a pena (não se preocupem que o video não tem spoilers):


domingo, 16 de junho de 2019

As sequelas de "A Idade do Gelo"


Aviso: Isto contêm SPOILERS (À serio, pode haver quem não viu estes filmes).

Todos nós conhecemos e adoramos "A Idade do Gelo", certo?

Quando o filme foi lançado em 2002, ele recebeu elogios pela critica e foi nomeado ao Óscar de Melhor Filme de Animação 2002 (perdeu para "A Viagem de Chihiro", 2001).

E como é comum em Hollywood, quando um filme é bem sucedido nas bilheteiras, obviamente os estúdios que fizeram respectivo filme, querem logo fazer a sequela.

E foi o que aconteceu com "A Idade do Gelo".

O sucesso financeiro do filme levou a 20th Century Fox a produzir 4 sequelas, até agora:
  • A Idade do Gelo 2: Descongelados (2006);
  • A Idade do Gelo 3: Despertar dos Dinossauros (2009);
  • A Idade do Gelo 4: Deriva Continental (2012);
  • A Idade do Gelo: O Big Bang (2016).
Embora eu e vários maiores de 16 anos que conheço gosta de ver as sequelas (excepto o 5 º filme), infelizmente não é um sentimento compartilhado por muitos maiores de 16 anos que são fás do 1 º filme.

Embora seja um dos franchises mais lucrativos da História do Cinema, no que toca a argumento, cada filme é criticado por ser mais absurdo e menos emotivo que o anterior.

Cliquem aqui (se quiserem) para saber as falhas das sequelas.


Mas honestamente, eu creio que o 1 º filme precisava apenas do 2 º e do 3 º filme, apesar das suas falhas.

Porquê?

Esta cena comovente (eu fico em lágrimas quando revejo):


Ao ver "A Idade do Gelo 2: Descongelados" e "A Idade do Gelo 3: Despertar dos Dinossauros", nós vemos o Manny ter uma segunda oportunidade em formar uma família.

Para mim "A Idade do Gelo" são só este 3 filmes.

O 4 º, o 5 º e os especiais televisivos são mesmo para entreter. E está tudo bem com isso.

O que vocês acham sobre as sequelas de "A Idade do Gelo"? Gostam? Não gostam? Comentem se quiserem.

Um Bom Abraço e Até à Próxima!

sexta-feira, 14 de junho de 2019

Especial Pixar - de 2017 até agora...


Como prometido, estou a continuar o Especial Pixar, para promover "Toy Story 4", previsto para a semana.

Mas em vez de actualizar os posts, decidi criar um post em que dou a opinião sobre as curtas originais e os longa-metragens da Pixar lançados desde 2017 até agora.

Para saberem o que acho das curtas originais de 1984 até 2016, cliquem aqui.

Para saberem o que acho das longas-metragens de 1995 até 2016, cliquem aqui.

Vamos começar:


Curtas.

"Lou" (2017):


Dirigido pelo animador Dave Mullins e lançado nos cinemas com "Carros 3", a curta é uma bela terapia anti-bullying.

A maneira de como o Lou ensina o J. J. a ser gentil para os outros e para ele mesmo está muito bem desenvolvida. 

O J.J. lembra-me um bocado o Spot de "A Viagem de Arlo", (2015).

Eu acho curioso é como no final, percebe-mos a origem do Lou.


"Bao" (2018):


Dirigida pela artista de storyboard chino-canadiana Domme Shi, e lançado nos cinema com "Incredibles 2 - Os Super-Heróis" (2018), é uma curta muito boa.

No entanto, alguns telespectadores de descendência não-chinesa acharam a curta "confusa".

Não é confusa, porque a mãe estava a sentir falta do filho por ele ter saído de casa, e aquele bolinho chinês era fruta da imaginação dela. Onde é que o marido dela estava, quando vimos aquele bolinho chinês a crescer? Perceberam agora?

A curta é uma terapia para a Síndrome do Ninho Vazio. E ganhou o Óscar de Melhor Curta Metragem Animada 2018.


Longas.

"Carros 3" (2017):


Agora podemos perdoar "Carros 2" (2001) e (se preferirem) "Aviões", (2013-2014). Dirigido por Brian Fee, o terceiro filme "consegue terminar franchise com dignidade". 

Engraçado é como o filme não cita nada do 2 º filme, mas nota-se que Brian Fee e a sua equipa fizeram este filme como um pedido de desculpas por causa do 2 º (ao estilo de "Indiana Jones e A Grande Cruzada", 1989). 

Mas este filme está muito bom e viu-se que é mesmo o fim das aventuras de Mcqueen e Cia.

Eu não considero o Jackson Storm como um vilão, mas sim, o Sterling por causa da maneira de como tratava a Cruz e queria explorar o Mcqueen. O Jackson Storm nem é batoteiro ao contrario do Chick Hicks. Ele tentou fazer batota na corrida final, por medo.

Assim como "Carros 2", "Monstros - A Universidade" (2013), "A Viagem de Arlo" (2015) e "Á Procura de Dory" (2016), não foi nomeado ao Óscar de Melhor Filme de Animação 2017, enquanto "Coco" (2017) foi nomeado e venceu nessa categoria, que é uma pena.

"Coco" (2017):


Dirigido por Lee Unkrich, o mesmo de "Toy Story 3" (2010), este filme acaba por ser uma aula de explicar aos espectadores de todas as idades, que a Morte não é malefica.

Emociono-me quando o Miguel canta para a sua bisavó, Coco (respeito pelo nome da senhora, está bem?) a canção "Lembra-te de Mim", da maneira de como o trisavó dela cantava.

Tenho de dizer mais alguma coisa?


"Incredilbes 2 - Os Super-Heróis" (2018):


14 anos valeram a pena.

É uma sequela que o Brad Bird teve que aguardar pela altura perfeita para produzir, porque ele não gosta de seguir o modelo dos filmes de super-heróis que dominam as bilheteiras desde 2000 até agora.

E assim como o primeiro, de 2004, este filme ainda mantêm a tradição de subverter o que o espectador espera num típico filme de super-heróis.

É curioso ver as narrativas do Beto, da Helena e da Violeta e como eles se entrelaçam uma com a outra.

O Raptor de Ecrãs (que tradução, hein?) foi um vilão que me surpreendeu não só por quem é na verdade mas também pelas suas motivações para prejudicar a comunidade de super-heróis.

E foi a segunda sequela da Pixar (a primeira foi "Toy Story 3", 2010) a ser nomeado ao Óscar de Melhor Filme de Animação (Perdeu para "Homem-Aranha no Universo Aranha", 2018, que também é muito bom).


E é tudo.

Para não estar sempre actualiza-lo, talvez espere 7 anos, para poder falar sobre as curtas metragens originais e longas-metragens que vão surgir desde "Toy Story 4" até mais alêm.

Um Bom Abraço e Até à Próxima!

sábado, 8 de junho de 2019

Tipos de Origem dos Clássicos da Disney


Esta lista é para vocês saberem os 5 tipos de origem dos clássicos da Disney.

Avisos:
  1. Não se preocupem que não vou revelar diferenças entre os clássicos da Disney e as histórias em que são baseados ou disneyficados;
  2. Não vai haver nenhum segmento de "Fantasia" (1940), a Era da Guerra e "Fantasia 2000" (1999), porque é raro alguém demonstrar interesse nesses filmes.
  3. Não vai haver sequelas (excepto "Winnie The Pooh", 2011).

Disneyficação (Adaptação para crianças de uma história inapropriada para crianças.):
  • Branca de Neve e os Sete Anões (1937) = "Branca de Neve" (Conto de fadas alemão, 1812) dos Irmãos Grimm;
  • Pinóquio (1940) = "As Aventuras de Pinóquio" (Novela italiana, 1883) de Carlo Collodi;
  • Bambi (1942) = "Bambi, Uma Vida nas Florestas" (Novela austríaca, 1923) de Felix Salten;
  • Cinderela (1950) = "Cinderela" (Conto de fadas francês, 1697) de Charles Perrault;
  • A Bela Adormecida (1959) = "Bela Adormecida" (Conto de fadas francês, 1697) de Charles Perrault;
  • O Livro da Selva (1967) = As histórias de Mogli de "O Livro da Selva" (Livros britânicos, 1894–95), de Rudyard Kipling;
  • Robin dos Bosques (1973) = "Robin Hood" (Lenda britânica) sem animais antropomorficos;
  • Papuça e Dentuça (1981) = "O Cão e A Raposa" (Novela americana, 1967) de Daniel P. Mannix. É uma tragédia;
  • A Pequena Sereia (1989) = "A Pequena Sereia" (Conto de fadas dinamarquês, 1837) de Hans Christian Andersen. É uma tragédia;
  • A Bela e o Monstro (1991) = "A Bela e a Fera" (Conto de fadas francês, 1756) de Jeanne-Marie Le Prince de Beaumont;
  • Aladdin (1992) = "Aladdin e a Lâmpada Maravilhosa" (Conto de fadas árabe);
  • Pocahontas (1995) = A vida e a lenda de Pocahontas (1595–1617);
  • O Corcunda de Notre Dame (1996) = "Notre Dame de Paris" (Novela francesa, 1831) de Victor Hugo. É uma tragédia;
  • Hércules (1997) = "Hércules" (Mito grego);
  • Mulan (1998) = "Hua Mulan" (Lenda chinesa);
  • Tarzan (1999) = "Tarzan dos Macacos" (Novela americana, 1912) de Edgar Rice Burroughs;
  • Entrelaçados (2010) = "Rapunzel" (Conto de fadas alemão, 1812) dos irmãos Grimm;

Adaptação:
  • Dumbo (1941) = "Dumbo, O Elefante Voador" (Livro infantil americano, 1939) de Helen Aberson;
  • Alice no País das Maravilhas (1951) = "As Aventuras de Alice no País das Maravilhas" e "Através do Espelho" (Novelas britânicas, 1865 a 1871) de Lewis Carroll;
  • As Aventuras de Peter Pan (1953) = "Peter Pan" (Peça britânica, 1904) e Peter e Wendy (Novela britânica, 1911) de J. M. Barrie;
  • Os 101 Dálmatas (1961) = "Os Cento e Um Dálmatas" (Livro infantil britânico, 1956) de Dodie Smith;
  • A Espada Era a Lei (1963) = "A Espada na Pedra" (Novela britânica, 1938) de T. H. White;
  • As Extra Aventuras de Winnie The Pooh (1977) e Winnie The Pooh (2011) = "Winnie-the-Pooh" e "The House at Pooh Corner" (Livros infantis britânicos, 1926-1928) de A. A. Milne;
  • As Aventuras de Bernardo e Bianca (1977) = "The Rescuers" e "Miss Bianca" (Livros infantis britânicos, 1959-1962) de Margery Sharp;
  • Taran e o Caldeirão Mágico (1985) = "As Crónicas de Prydain" (Novelas Americanas, 1964-1968) de Lloyd Alexander;
  • O Rato Basílio, O Grande Mestre dos Detectives (1986) = "Basil of Baker Street" (Livros infantis americanos, 1958-1982) de Eve Titus;
  • Lilo & Stitch (2002) = Livro infantil americano (1985) não-publicado por Chris Sanders, um dos roteiristas e realizadores do filme;
  • O Planeta do Tesouro (2002) = "Ilha do Tesouro" (Novela britânica, 1883) de Robert Louis Stevenson, sem ser no Espaço;
  • Os Robinsons (2007) = "Um Dia com Wilbur Robinson" (Livro infantil americano, 1990) de William Joyce;
  • A Princesa e o Sapo (2009) = "The Frog Princess" (Livro infantil americano, 2002) de E. D. Baker.
  • Big Hero 6 – Os Novos Heróis (2014) = "Big Hero 6" (Banda Desenhada americana, 1998-presente) da Man of Action;

Original mas com personagens de alguma obra existente;
  • Vagabundo de "A Dama e o Vagabundo" (1955) = "Happy Dan , o Cão Cínico" (História americana, 1945) de Ward Greene;
  • Chicken Little e Foxi Toxi de "Chicken Little" (2005) = "Henry Penny" (Fábula europeia);
  • Maui de "Vaiana" (2016) = Māui (Mito polinésio);

Original:
  • Os Aristogatos (1970);
  • Dinossauro (2000);
  • Pacha e o Imperador (2000);
  • Atlântida - O Continente Perdido (2001);
  • Kenai e Koda (2003);
  • O Paraíso da Barafunda (2004);
  • Bolt (2008);
  • Força Ralph (2012);
  • Zootrópolis (2016);

Influenciado nalguma obra existente:
  • Oliver e seus Companheiros (1988) = "Oliver Twist" (Novela britânica, 1838) de Charles Dickens;
  • O Rei Leão (1994) = "Hamlet" (Peça britânica, 1601) de William Shakespeare (É uma tragédia) e "Bambi" (1942) da própria Disney;
  • Frozen - O Reino do Gelo (2013) = "A Rainha das Neves" (Conto de fadas dinamarquês, 1845) de Hans Christian Andersen.

Então é tudo.

Um Bom Abraço e Até à Próxima!

sexta-feira, 7 de junho de 2019

Estes filmes da Disney não são remakes dos seus clássicos animados!


Este texto vais ser curto, mas enfim...

Este texto é uma versão melhorada de um post que fiz em 2017. Cliquem aqui para relembrar.

Só vai ter filmes da Disney lançados nos cinemas que as pessoas pensam que são remakes dos seus clássicos animados. Mas não são.

Não tem:
  • Remakes de filmes Live-action com Animação;
  • Remakes para home video;
  • Remakes em filme de series de TV animadas.
Aqui vai:


"A Lenda do Livro da Selva" (1994)


Porque é que não é um remake de "O Livro da Selva" (1967)?

O filme é inspirado em:
  • Qualquer adaptação live-action não-Disney de "Tarzan" de Edgar Rice Burroughs;
  • "Indiana Jones" (1981-presente) do Steven Spielberg e do George Lucas;
  • "Aladdin" (1992) da Disney.

(Cortesia do Yahoo aqui)


"Alice no Pais das Maravilhas" (2010)


Porque é que não é um remake de "Alice no Pais das Maravilhas" (1951)?

É uma sequela não-canónica desse filme.


"Christopher Robin" (2018)


Porque é que não é um remake de "As Extra-Aventuras de Winnie The Pooh" (1977) e de "Winnie The Pooh" (2011)?

É uma sequela desses filmes.


Próximo projecto:

A 2ª adaptação de "As Cronicas de Prydain", de Lloyd Alexander.


Porque é que não vai ser um remake de "Taran e o Caldeirão Mágico" (1985)?

Esta serie de filmes vai ser o "Harry Potter" da Disney.


É só isto por agora.

Conhecem outros filmes que a Disney vai fazer que não são remakes dos seus clássicos animados?

Não se esqueçam de comentar, se quiserem.

Um Bom Abraço e Até à Próxima!

segunda-feira, 3 de junho de 2019

"O Rei Leão" não cai no Vale da Estranheza!


Há uns dias atrás, eu estava a rever um video no EntrePlanos a explicar sobre o Vale da Estranheza (lançado antes do Trailer Oficial de "Sonic - O Filme"), e apanhei uns comentários de fás de "O Rei Leão" (o original de 1994) que dizem que o remake também cai no Vale da Estranheza.

Por acaso não são os primeiros. Quando partilhei o video sobre o Sonic no Vale da Estranheza (relembrem aqui), o João Moreira explicou-me, que há fás do "O Rei Leão" (original de 1994) que acham que o Scar da nova versão também cai no Vale da Estranheza.


Vamos relembrar uma coisa:

O Vale da Estranheza diz que, se um robó (ou uma personagem animada por computador) for literalmente parecido com um humano, pode causar repulsa ou medo ao espectador humano.


A razão porque esta versão do Sonic vos incomodou, é porque ele é mais parecido com um humano do que um ouriço antropomórfico sem roupas.

A nova versão de "O Rei Leão" não cai no Vale da Estranheza, porque SÃO ANIMAIS LITERALMENTE CRIADOS POR COMPUTADOR, não são literalmente parecidos com humanos.


Agora em relação ao Scar no remake, olhando para o visual dele no original, percebe-se que é impossível de existir na nossa realidade. 

Por ser o vilão, o Andreas Deja (o animador da Disney responsável por ele) teve que exagerar completamente no visual.

Onde é que vais encontrar um leão com um visual destes se fosses a África ou à um zoo?


Por isso é que Jon Favreau e os animadores do remake optaram por este visual mais à sério (mas mantendo a "Scar", cicatriz em inglês).


Além disso, olhando para este poster, ficamos convencidos que ele está zangado.


Espero que agora tenham mesmo percebido.

Um Bom Abraço e Até à Próxima!