domingo, 29 de julho de 2018

Circle 7 Animation



Em 11 de Julho do ano passado, quando fiz a parte 3 do Especial Pixar, mencionei isto quando dei a minha opinião sobre “Toy Story 2 – Em Busca de Woody” (1999):

“Um facto curioso, é que a Pixar, depois de fazer este filme, disse que não iria envolver em continuações, até terem voltado a elas com “Toy Story 3” (2010). Por isso na década de 2000, só tivemos longas originais.”

Mas os filmes do estúdio, em 2004, quase correram o risco de ganhar continuações em Home Video.

“Como assim?” perguntam vocês.

Calma que eu explico.


Em 1991, a Pixar e a Disney, originalmente, tinham um acordo de distribuição de sete filmes que dava à Disney propriedade total dos filmes e das personagens da Pixar, assim como os direitos de continuações.

Com o sucesso de “Toy Story 2 – Em Busca de Woody” em 1999, o presidente da Disney na altura, Michael Eisner, e Steve Jobs começaram a discordar sobre como a Pixar deveria ser administrada e os termos do relacionamento contínuo que tinham planeado.

Eisner afirmou que “Toy Story 2 – Em Busca de Woody”, como era uma continuação, não contava para a contagem "original" de 7 filmes, embora Jobs discordasse.


Jobs anunciou em Janeiro de 2004 - após dez meses de negociações - que a Pixar não renovaria o seu contrato com a Disney e buscaria outros distribuidores para lançamentos de filmes e curtas a partir de 2006.

Jobs queria que a Pixar recebesse a maior parte dos lucros que os seus filmes faziam (dando à Disney a taxa padrão de distribuição de 10%), bem como a propriedade plena de quaisquer futuros filmes e personagens que o estúdio iria criar depois de “Carros” (2006).

Eisner achou esses termos inaceitáveis. E John Lasseter, que tinha dirigido pessoalmente “Toy Story – Os Rivais” (1995), “Uma Vida de Insecto” (1998) e o já citado “Toy Story 2- Em Busca de Woody”, ficou perturbado com o colapso do relacionamento Disney-Pixar, pois estava preocupado com o que a Disney poderia fazer com os personagens que a Pixar tinha criado.

Quando ele teve que anunciar o que aconteceu numa reunião dos 800 funcionários da Pixar, Lasseter supostamente disse, chorando: "É como se vocês tivessem esses filhos queridos e tivessem que desistir deles para serem adoptados por abusadores de crianças condenados".

(Muito forte, eu sei).


Em 2004, foi fundado o Circle 7 Animation.

O Circle 7 Animation era um estúdio de animação por computador criado pela Disney com o propósito de criar continuações em Home Vídeo dos êxitos da Pixar distribuídos pela Disney, na altura.

O estúdio era visto como uma ficha de negociação pelo pessoal da Pixar e da Disney, mas também, como um plano B de Eisner no caso de as negociações entre a Pixar e Disney falharem.

Os primeiros (e únicos) projectos em que o estúdio trabalhou foram as suas versões de “Toy Story 3”, “Monstros e Companhia 2” e “À Procura de Nemo 2”.

(Irei falar deles em seguida).


Nos finais de Janeiro de 2006, o novo presidente da Disney, Bob Iger e Jobs, concordaram com um acordo no qual a Disney compraria a Pixar por US $ 7,4 biliões, com os executivos da Pixar (Edwin Catmull e Lasseter) assumindo o controle do Walt Disney Feature Animation e a Pixar fazendo a sua versão de "Toy Story 3", lançado em 2010.

Andrew Stanton afirmou que a Pixar evitou, de propósito, olhar para o roteiro da versão do Circle 7 de “Toy Story 3” e das outras continuações na altura, para não se inspirarem, quando fizessem as suas versões dessas continuações.

Em 26 de Maio de 2006, a Disney fechou oficialmente o Circle 7 Animation e transferiu cerca de 80% dos funcionários do estúdio para a Walt Disney Feature Animation, que logo mudou o nome para Walt Disney Animation Studios.


Agora vamos dar uma vista de olhos aos projectos cancelados:

1 - “Toy Story 3”:


A versão do Circle 7 Animation, escrita por Jim Herzfeld, roteirista de “Um Sogro do Pior” (2000), por coincidência, tinha algumas semelhanças com a versão da Pixar.

O filme focava na mãe de Andy enviando um Buzz defeituoso para Taiwan, onde ele foi construído, com Woody e os outros brinquedos, acreditando que ele seria reparado lá.

Enquanto pesquisavam na Internet, eles descobrem que muitos outras figuras de acção Buzz Lightyear estão a funcionar mal a volta do mundo e a empresa que os criou emitiu uma enorme anulação na linha de brinquedos.

Com medo que Buzz seja destruído, Woddy e alguns dos brinquedos de Andy (Rex, Slinky, Sr. Cabeça de Batata, Hamm, Jessie e Bala) se empacotavam para Taiwan e se aventuravam lá para resgatar Buzz.

Ao mesmo tempo, Buzz conhece brinquedos de outras partes do mundo que já foram amados, mas que agora vão ser destruídos por uma máquina esmagadora, e ele tenta várias vezes fugir com os brinquedos que conheceu, mas não consegue.

Enquanto estavam em Taiwan, Woody e o gang ficam presos num infantário, mas conseguem escapar, fugindo numa máquina voadora criada por eles que consiste num carrinho de compras, um aspirador e balões.

Finalmente, o gang chega a tempo de salvar Buzz, mas era quase tarde demais: Buzz ficou ferido pela máquina esmagadora. Woody, o gang e os brinquedos defeituosos que Buzz conheceu conseguiam repara-lo.

2 - “Monstros e Companhia 2”:


Chamado de “Monsters Inc 2: Lost In Scaradise” (“Monstros e Companhia 2: Perdidos no Paraíso dos Sustos”, numa tradução literal), a história mostrava Mike e Sulley a visitarem o Mundo dos Humanos para dar à Boo um presente de aniversário, apenas para descobrir que ela se mudou de casa, e quem mora agora é uma senhora idosa.

Depois de ficarem presos no Mundo dos Humanos, Mike e Sulley se separavam depois de discordarem sobre o que fazer (Mike queria voltar para casa e Sulley queria continuar a procurar a Boo), mas depois faziam as pazes e trabalhavam em equipa para finalmente encontrarem-na.

A história passava-se alguns anos após os eventos de “Monstros e Companhia” (2001), na qual Boo já estava um pouco mais velha.

Os roteiristas Rob Muir e Bob Hilgenberg foram contratados para escrever um roteiro para essa versão, e até fizeram um storyboard do rascunho inicial da versão.

3 - “À Procura de Nemo 2”:


Não se sabe muito sobre a versão Circle 7 Animation de “À Procura de Nemo 2”, mas fontes não confirmadas diziam que a nova versão seria um inverso de “À Procura de Nemo” (2003), com Marlin capturado e Nemo tentando salva-lo. Nesta versão, Dory recuperava a sua memória no final do filme.


E vocês sabem como foram as versões da Pixar dessas continuações.


O que acham sobre esta história? Conseguiam imaginar o que teria sido se a Disney e a Pixar tivessem se separado em 2006? Imaginavam ver estas continuações? Escrevam nos comentários, o que acham acerca disto.

Sem comentários :